Exposição de Arte Negra: do MIS RJ à Inhotim e homenagem ao Orfeu Negro!

  • 12/05/2023

Exposição de Arte Negra: do MIS RJ à Inhotim e homenagem ao Orfeu Negro!

O Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro foi palco para a primeira Exposição de Abdias Nascimento, o Museu de Arte Negra (MAN), em 6 de maio de 1968, quando foram contados 80 anos da Abolição da Escravatura. Com 137 obras, entre pinturas, esculturas e gravuras, foi visitado por 2082 pessoas, com as ilustres presenças de Sebastião Januário, Heitor dos Prazeres Filho, Afonso Arinos e Jota Efegê, sendo a 1ª assinatura do livro de abertura da exposição do seu curador, Abdias Nascimento, que o museu salvaguarda no setor institucional .Também foi lançado o livro "Não podemos esperar", de Martin Luther King, pela Editora Senzala.

Durante toda a sua jornada, Abdias Nascimento, reavivou a valorização racial do negro e da cultura afro-brasileira. Poeta, escritor, dramaturgo, artista plástico e ativista pan-africanista que idealizou o MAN para prestigiar a arte, a cultura e combater o racismo. O Museu Inhotim, localizado em Brumadinho, Minas Gerais, acolheu em 2021, o Museu de Arte Negra, idealizado por Abdias.

Nos anos 50, o diretor francês, Marcel Camus, adaptou o “Orfeu”, da mitologia grega, ao gueto da cidade do Rio de Janeiro, através de seu filme, “Orfeu Negro”, conhecido popularmente como “Orfeu do Carnaval”, contando a história de um herói negro, do morro, que toca violão e se apaixona por Euridice. Vencedor da Palma de Ouro de Cannes, em 1959, e do Oscar, em 1960, como o melhor filme estrangeiro, apresentou um elenco de atores brasileiros, e consagrou Tom Jobim, Luís Bonfá, Vinicius de Moraes e Antônio Maria, responsáveis pela trilha sonora de grande sucesso.

O roteiro do filme “Orfeu Negro”, foi baseado em uma peça de Vinícius de Moraes, "Orfeu da Conceição”, com cenografia de Oscar Niemeyer, e um elenco inteiramente formado por atores negros, do Teatro Experimental (TEN) de Abdias Nascimento, e foi protagonizada por Haroldo Costa, ator, sambista e produtor cultural, fundamental para a valorização da Cultura Negra, que o MIS RJ salvaguarda desde 27 de janeiro de 2016, quando prestou o seu Depoimento para a Posteridade.

Amanhã, 13 de maio de 2023, quando se completam os 135 anos da Abolição da Escravatura no Brasil, o tradicional Renascença Clube, homenageia os 50 anos de “Orfeu Negro”, com um show do Grupo “Chorinho da Ribeira”, e feijoada de Preto Velho, na sua sede no bairro do Andaraí.

O Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro salvaguarda em seu acervo importantes registros da Cultura Negra Brasileira, em diferentes Coleções. Para conhecer mais sobre o tema basta enviar e-mail para saladepesquisa@mis.rj.gov.bre agendar uma visita ao Centro de Pesquisa e Documentação Ricardo Cravo Albin. Um desses itens preciosos é o LP Músicas do Filme “Orfeu do Carnaval”, de Antônio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes, com A Lyra de Xopotó, acervo sonoro do MIS RJ, da Coleção Hermínio Bello de Carvalho, que vamos compartilhar algumas canções. É dar o play e se encantar!

Publicado em 12/5/23 por Cláudia Rocha e Márcia Benazzi

Clique e ouça: http://www.mis.rj.gov.br/musicas-exposicao-de-arte-negra-do-mis-rj-a-inhotim/


#Compartilhe

Aplicativos


Programa no Ar

Pérolas do MIS

top1
1. Amor, meu grande amor

Angela Ro Ro

top2
2. A coisa mais linda que existe

Gal Costa

top3
3. Estacio, eu e voce

Luz Melodia

top4
4. Eu amo você

Tim Maia

top5
5. Por causa de você, menina

Jorge Ben Jor

Oferecimento