MIS salvaguarda mais de 300 itens relacionados ao sambista, letrista e aniversariante Nei Lopes

  • 09/05/2024

MIS salvaguarda mais de 300 itens relacionados ao sambista, letrista e aniversariante Nei Lopes

O cantor, compositor, escritor, letrista e ensaísta Nei Lopes celebra 82 anos nesta quinta-feira (09/05). A descrição de seus múltiplos talentos costuma englobar também o de poeta, mas o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro optou por respeitar a opinião do próprio sambista (ops, mais uma habilidade), que ao participar da série "Depoimentos para a Posteridade", em janeiro de 2012, afirmou: "Eu não tenho essa coisa de dizer que sou poeta. Eu não sou, não". Ele explica o motivo para tal afirmação.

"Eu nem me considero um poeta, que poeta é uma outra coisa. Poeta é... o poeta, a letra de música popular você tem que... tem que dizer alguma coisa, né? E a poesia você tem que não dizer. Você tem que se fazer entender na letra de música popular. E o poeta tem que fazer subentender. Eu acho que é mais ou menos por aí. Eu não tenho essa coisa de dizer que sou poeta. Eu não sou, não. Eu sou letrista e acho que sou bom", disse Nei Lopes ao eternizar sua vida e obra dando seu testemunho ao MIS RJ.

No universo da música e do samba, Nei Lopes é autor de sucessos, como “Figa de Guiné” (com Reginaldo Bessa), “Goiabada Cascão”, “Samba bo Irajá”, “Gostoso veneno”, “No tempo do Dondon” e “Nosso nome: Resistência” (com Sereno e Zé Luiz do Império), que deu título a um disco de Alcione, entre muitos outros. Para comemorar a data, o MIS fez uma seleção de músicas salvaguardadas no setor sonoro. A playlist vai ao ar na Web Rádio MIS RJ nesta quinta-feira (09/05) às 9h, 15h e 21h.

Na literatura, é autor de títulos preservados na Biblioteca Almirante, do MIS RJ, como “Guimbaustrilho e outros mistérios suburbanos” (2001, Editora Dantes), “Partido-Alto: Samba de bamba” (2005, Editora Pallas), “20 contos e uns trocados” (2006, Editora Pallas) e “Zé Kéti: o samba sem senhor” (2000, Ed. Relume do Dumará). A cultura negra está entre os seus temas preferidos.

A biblioteca ainda salvaguarda outros títulos relacionados ao letrista, como “Rainha Quelé: Clementina de Jesus”, livro organizado por Heron Coelho, que conta com textos de Nei Lopes, Lena Frias, Hermínio Bello de Carvalho e Paulo Cesar de Andrade (2001, Editora Valença) e “Samba do Irajá e de outros subúrbios: um estudo da obra de Nei Lopes”, de Cosme Elias (2005, Editora Pallas).

Ao todo, o acervo do museu salvaguarda mais de 300 itens relacionados ao baluarte do samba. Salgueirense de coração, Nei Lopes cita, durante o “depoimento para a posteridade”, que os momentos mais emocionantes de sua vida foram vividos durante participações em desfiles de escola de samba. Dez anos depois de deixar seu testemunho oral gravado no MIS, o sambista foi homenageado no Carnaval carioca pelo Salgueiro e pela Beija-Flor.

Todo o acervo do MIS, que integra a rede de equipamentos culturais do Governo do Estado e está vinculado à Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro (Secec-RJ), está à disposição do público e dos pesquisadores. Para acessar o material basta enviar e-mail para saladepesquisa@mis.rj.gov.br e agendar uma visita ao Centro de Pesquisa e Documentação Ricardo Cravo Albin.

Publicado em 09/5/2024 por Fernanda Soares


#Compartilhe

Aplicativos


Programa no Ar

Pérolas do MIS

top1
1. Piove (Chove)

Marlene

top2
2. Per Amore (Por Amor)

Zizi Possi

top3
3. Poema degli occhi

Toquinho, Sergio Endrigo

top4
4. Umilmente-ti-chiedo-perdono

Jerry Adriani

top5
5. Italiana

Carlos Galhardo

Oferecimento