UM PEDACINHO DA ITÁLIA NO CORAÇÃO DA LAPA CARIOCA! EXPOSIÇÃO “HERANÇAS: 150 ANOS DA IMIGRAÇÃO ITALIANA NO BRASIL”!

  • 25/06/2024

UM PEDACINHO DA ITÁLIA NO CORAÇÃO DA LAPA CARIOCA! EXPOSIÇÃO “HERANÇAS: 150 ANOS DA IMIGRAÇÃO ITALIANA NO BRASIL”!

Um pedacinho da Itália no coração da Lapa Carioca! Foi assim, com esse sentimento ítalo-brasileiro, alegre, vibrante e musical que a inauguração da exposição "Heranças: 150 anos da imigração italiana no Brasil", aconteceu ontem(24), no MIS RJ.

Na abertura da cerimônia, dando as boas-vindas para os presentes, autoridades e familiares, o presidente do MIS RJ, Cesar Miranda Ribeiro, destacou a importância dessa homenagem aos primeiros desbravadores italianos que chegaram no século XIX, e lembrou das suas raízes, do seu bisavô Pietro Paolo Marmo, que desembarcou em Vitória, Espírito Santo, vindo de Casalbuono, província de Salerno . Agradeceu as presenças da filha e do neto de Maurício Quadrio, italiano, que foi o primeiro diretor do MIS RJ, em 1965. Em sua fala, muito emocionado, disse - "Este evento transcende o simples ato de admirar fotografias e outros objetos, ele nos convida para uma reflexão profunda sobre a nossa própria identidade e história. Ao contemplarmos cada peça exposta, somos convidados a mergulhar no vasto e rico legado que moldou o nosso presente e que continuará a influenciar o nosso futuro. Heranças não é apenas uma exposição, é um elo entre gerações, uma ponte entre o passado e o presente, e uma janela aberta para o futuro."

Em seguida, a secretária de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, Danielle Barros, falou sobre a sua alegria de estar participando da inauguração e o seu compromisso com o Museu da Imagem e do Som - "De fato, é um equipamento muito querido do Estado do Rio de Janeiro. Eu espero que esta exposição possa trazer um impacto positivo para a vida de todos nós. Espero que todos nós que vamos subir essa escada para admirar o belíssimo trabalho dessa equipe, especialmente dessa curadoria, possa sair daqui tão motivado que possa dividir com outras pessoas, porque essa casa aqui é uma casa aberta às escolas públicas, às universidades, aos grupos que se organizam para visitar, não só a exposição mas também fazer uma visita aos espaços que a gente tem organizados, onde a gente faz a guarda dos nossos acervos. A gente tem aqui os representantes do Consulado Italiano, espero que vocês também se apropriem desse espaço. E que a gente possa, de fato, contar para muitos meninos e meninas a importância da gente olhar para o futuro mas não esquecer da onde a gente veio, do lugar que a gente veio, daquilo que as pessoas construíram para que nós pudéssemos chegar aqui."

O diretor do Instituto Italiano de Cultura, Marco Marica, que veio representando o cônsul geral, Massimiliano Iacchini, disse que estava muito honrado em participar da inauguração da exposição - "É um sentimento muito forte ver como os italianos junto com os brasileiros chegaram a criar uma forte unidade. Acho que os dois povos, italiano e brasileiro, tem muita coisa em comum, e uma das coisas mais fortes é a música. Que boa ideia celebrar a ítalo-brasilidade no Museu da Imagem e do Som. Também agradeço a presença da secretária de estado de cultura do Rio de Janeiro. Eu me sinto muito emocionado porque, penso que depois de 150 anos, ainda é muito forte o apego com as origens italianas. Então, celebrar a memória italiana é uma atividade muito nobre, por isso, obrigado de todo o coração, como italiano, como representante da Itália aqui no Rio de Janeiro".

O jornalista e escritor italiano Edoardo Pacelli, também foi convidado a falar - "Eu fiquei tão emocionado vendo como toda esta equipe do museu trabalhou desde janeiro. Foi para mim como abrir um portão que já estava aberto. E porque estou falando de emoção, da emoção do Cesar? Ele emocionado, como brasileiro, que sente as origens. E eu, emocionado, como italiano, que descobre o que o Brasil fez para a Itália".

O clima entre todos os presentes era de muita emoção! Emoção do compartilhamento de sentimentos, das memórias, das heranças que carregamos dos italianos na construção da nossa identidade brasileira. E fomos arrebatados também pela música do violinista Allyrio Mello, com um pout-pourri de músicas famosas italianas e brasileiras, canções que alegraram e deram um toque especial durante a abertura da exposição.

Uma outra coisa que chamou muito a atenção durante o evento, e não teve um convidado que não quisesse fotografar ao lado, foi o bolo especialmente criado pelo Cake Designer, Lucas Camilo. Uma verdadeira obra de arte da confeitaria carioca que retratou com primor e beleza a história que estava sendo contada na exposição!

O mezanino com as três bandeiras: Itália, Brasil e Estado do Rio de Janeiro, destacava o compromisso da exposição, retratar o legado italiano no Brasil a partir das heranças em acervo do MIS RJ. Desde a plotagem com o emblemático navio; o texto de apresentação; as fotos dos artistas; ao belíssimo instrumento Acordeon Hering (muito utilizado pelos imigrantes italianos em suas confraternizações); o passaporte original de um imigrante do século XIX; os relatos em vídeo dos servidores do museu, descendentes de italianos, contando as suas histórias; a medalha que o Maurício Quadrio (o primeiro diretor do museu) recebeu do Governo Italiano; o Cartão de Identificação do Sindicato dos Músicos do Estado do Rio de Janeiro (SindMusi) do cantor Vicente Celestino, e muitos outros itens, todo o material expositivo foi apreciado com interesse e entusiasmo pelos presentes.

Além dos convidados já citados, prestigiaram a inauguração da exposição: o assessor do Instituto Italiano de Cultura, Riccardo Scafati; o fotógrafo Ronaldo Câmara, acompanhado da sua esposa Silvinha; o fotógrafo Paulo Scheuenstuhl acompanhado da sua família; Patrícia de Almeida, presidente do Departamento de Biblioteca do Palácio Tiradentes (ALERJ); Miriam de Araújo Silva, da Secretaria de Educação; além de familiares do servidores do museu.

O objetivo da exposição "Heranças: 150 anos da imigração italiana no Brasil", que tem curadoria da museóloga Eliane Vilela e da historiadora Daiane Lopes, é homenagear e destacar as tantas figuras que fizeram e ainda fazem parte da arte brasileira e fluminense, e que possuem origem italiana. Vicente Celestino, primeiro cantor a gravar o Hino Nacional brasileiro; Radamés Gnattali, pianista, maestro e arranjador; Nara Leão, cantora, compositora e instrumentista; Sergio Endrigo, cantor e compositor que gravou a música “A Rosa” com Chico Buarque, são alguns destaques da música, assim como Jerry Adriani, Zizi Possi, Adelaide Chiozzo, Gastão Formenti, Carlos Galhardo, Lyrio Panicalli, Francisco Mignone e Marlene (Victória Bonaiutti de Martino). No universo das artes plásticas o homenageado é Cândido Portinari, pintor com mais de cinco mil obras que retratam o Brasil e o povo brasileiro. Há ainda Adolfo Celi (cinema), Luiz Carlos D’ugo Miele (ator, produtor e escritor), Marina Colasanti (jornalista, escritora, tradutora e artista plástica), Antonio Jannuzzi (projetista e construtor), e Sylvio Rebecchi e Guglielmo Olivetti (arquitetos).

A exposição "Heranças: 150 anos da imigração italiana no Brasil", ficará em cartaz durante um ano, na sede do MIS RJ, rua Visconde de Maranguape, 15, Lapa. Aberta ao público, gratuitamente, de segunda a sexta, das 10h às 17h. Cariocas, fluminenses, brasileiros, estrangeiros, todos estão convidados para essa jornada ítalo-brasileira, venham, tragam a família, estamos esperando vocês!

Publicado em 25/06/2024 por Márcia Benazzi, neta do imigrante italiano, Gaetano Benazzi.


#Compartilhe

Aplicativos


Programa no Ar

Pérolas do MIS

top1
1. Piove (Chove)

Marlene

top2
2. Per Amore (Por Amor)

Zizi Possi

top3
3. Poema degli occhi

Toquinho, Sergio Endrigo

top4
4. Umilmente-ti-chiedo-perdono

Jerry Adriani

top5
5. Italiana

Carlos Galhardo

Oferecimento